Você está aqui

Com projeto inovador, acadêmico dá uso democrático para parque logístico

Formando foi destaque em site ArchDaily

  • Acadêmico teve TCC selecionado por site e concorreu com brasileiros e portugueses / Foto: Reprodução
  • Projeto agrega modernidade e minimalismo / Foto: Reprodução

O formando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) Vinícius Néspoli Ferzeli, de 25 anos, foi destaque no site ArchDaily Brasil, um dos portais do segmento mais acessados do Brasil. O site fez um apanhado dos melhores Trabalhos de Conclusão de Curso desenvolvidos no Brasil e em Portugal durante o ano de 2017. Ao todo, foram selecionados 24 projetos de 276 inscritos. 

“Eu estou muito feliz, sei que é um trabalho acadêmico, mas trouxe visibilidade pela qualidade das produções que temos na UCDB. Fico satisfeito também porque expor o meu projeto, além de tudo, é uma forma de incitar a discussão sobre o tema que eu abordei e incentivar a criação de novas tecnologias”, comemorou o acadêmico.

Projeto desenvolvido por Vinícius com o apoio do orientador, professor Fernando Camilo de Carvalho Júnior, teve como foco a “Intermodalidade a serviço do desenvolvimento local”. Por meio do conceito da “arquitetura espetacular”, o formando deu uma modelagem diferente e única para o Parque X — um terminal intermodal de cargas inacabado situado no anel viário de Campo Grande.  

“Além da estrutura em si, proponho o resgate do uso da linha férrea, a princípio, para transporte de cargas e, depois com o crescimento econômico que isso trará, também para a locomoção de passageiros. Tudo aliado com o transporte rodoviário que trabalhará da mesma forma com cargas e pessoas, desenvolvi uma estação de transição que daria acesso aos passageiros para o aeroporto, rodoviária e também ao centro da cidade”, esclareceu Vinícius.

Inspiração

O formando, que também é graduado em Design pela UCDB, inspirou-se em desenvolver o tema quando fez um intercâmbio na França por meio do projeto Ciências Sem Fronteiras. “O uso do trem na Europa é muito forte. As pessoas utilizam a linha férrea para viajar e isso me atraiu muito. Desde pequeno eu via os trens no centro de Campo Grande e quando cheguei na Universidade me questionava porque não tinha dado certo, por isso pensei no projeto”, pontuou.

Vinícius teve acesso as plantas do parque logístico inacabado por meio do site da prefeitura de Campo Grande, já que o espaço está disponível caso alguma empresa queira obter a concessão. Atualmente, em média, apenas 20% da estrutura está concluída e o formando incorporou esses espaços existentes no projeto.

No trabalho, Vinícius também enfatizou a importância de um parque logístico como este que integra o transporte rodoviário e férreo para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul.  

Tópicos